A Guerra

por:

Talvez nenhum outro tema cause tanta inquietação à sociedade quanto a guerra.

Afinal, o que leva o ser humano a tomar atitudes contra a sua própria vida e a de seus semelhantes?

E para as crianças, a guerra também impõe muitas perguntas para as quais é difícil encontrar respostas.

No premiado livro da dupla portuguesa José Jorge Letria e André Letria, a guerra ganha contornos e se transforma em personagem.

Com ilustrações repletas de detalhes e um texto conciso, composto por frases que abrem espaço para muitas reflexões, os autores construíram uma obra profunda, que não subestima a inteligência dos leitores.

Um livro para ler, pensar e se fazer muitas e boas perguntas.

Quem são os autores deste livro?

José Jorge Letria é um dos grandes autores de literatura infanto-juvenil de Portugal. 

José Jorge Letria

Nascido em 1951, tem dezenas de livros publicados e premiados em diversos países. 

É jornalista, poeta, político e dramaturgo, mestre em Estudos da Paz e da Guerra nas Novas Relações Internacionais, pela Universidade Autônoma de Lisboa. 

É também autor de programas de rádio e televisão, dentre eles, a versão portuguesa de Vila Sésamo.

André Letria nasceu em Lisboa em 1973. 

Quando pequeno, demorava para dormir e adorava bagunçar no quarto com seu irmão mais novo.

Trabalha como ilustrador desde 1992 e já recebeu muitos prêmios por suas obras.

Para ele, seu grande desafio como artista é ser capaz de pegar um texto e entrar nele,

percebê-lo, desmontá-lo e reconstruí-lo a partir de imagens.

Por que o livro A Guerra foi escolhido pelo Clube de Leitores A Taba?

Um livro que pede muitas leituras.

Assim é A guerra: obra que acumulou muitos prêmios no Brasil e no mundo.

Não só por tratar de um tema extremamente relevante e atual, mas também pela escolha dos autores em relação à maneira de abordá-lo.

A paleta de cores, às inúmeras referências e detalhes que dialogam com diferentes momentos da história das guerras, o texto arrebatador – que convida ao silêncio e à reflexão: tudo neste livro parece nos fazer olhar para a guerra em sua complexidade e principalmente, sobre nosso papel na mudança que desejamos.

E, embora como diz o texto “a guerra nunca foi capaz de contar histórias”, quem sabe a Literatura e outras linguagens da Arte possam nos ajudar a narrar um mundo onde a paz e a vida humana sejam valores incondicionais?

deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tartaruga Nara

acompanhe a gente!

receba as novidades da Taba em primeira mão: