Blog

Mais rodas de leitura online

Desde o início da quarentena, o Clube de Leitores A Taba está realizando diversas rodas de leitura online.

Nos encontros, além da leitura do livro, abrimos espaço para que as crianças e também os adultos pudessem compartilhar suas impressões sobre as obras.

Está sendo uma experiência incrível e muitas famílias nos pediram que mantivéssemos a atividade por mais tempo. Por isso, preparamos mais sete encontros para lermos juntos pela internet, dessa vez dos livros enviados pela Taba em março e abril.

Você pode conferir as últimas rodas de leitura online clicando aqui e aqui.

Confira como foram as rodas do 3º ciclo de conversas promovido pelo Clube de Leitores A Taba:

13/04 – O melhor livro do mundo, de Canizales (Editora Tellos)

Com mediação de Laís Froes

Resenha: Nesta história, tudo começa com um menino que se vê perdido em meio a acontecimentos estranhos no seu dia a dia. 

Primeiro seus brinquedos começam a sumir. Para onde terão ido? Será que desapareceram do livro ou se tornaram personagens de outra história? E se eles podem ser protagonistas, qual o lugar do menino nesta narrativa?

Depois, o próprio livro se apresenta como um personagem  e participa da conversa. Tudo poderia ser uma grande confusão, mas o resultado é uma divertida narrativa que nos mostra que, muitas vezes, O melhor livro do Mundo é aquele que a gente escreve, todo dia, com a nossa própria história!

14/04 – O dicionário do Menino Andersen, de Gonçalo Tavares e Madalena Matoso (Editora Sesi-SP)

Com mediação de Isadora Freire

Resenha: Dicionários são grandes livros nos quais podemos encontrar definições para muitas palavras. O menino Andersen, porém, não ficou satisfeito com os significados que leu e resolveu criar os suas próprias explicações para palavras do seu  dia a dia… 

Para algumas delas, Andersen criou novos sentidos a partir de suas experiências e percepções sobre o mundo. Por exemplo: você já imaginou que um armário pode ser um espaço onde os brinquedos estão guardados, apenas esperando a brincadeira começar? 

E assim, de palavra em palavra, o leitor – junto com o menino que dá nome ao livro – constrói reflexões curiosas sobre as palavras e seus usos.  Afinal, será que o Guarda-Chuva, guarda mesmo a chuva? 

O resultado é um divertido dicionário poético onde tudo nos faz ver o mundo com os olhos de quem pergunta. 

E você? Que sentido encontra para as palavras que usa em seu dia a dia?

15/04 – Nós: uma antologia da leitura indígena, org. Maurício Negro (Editora Companhia das Letrinhas)

Com mediação de Érica de Faria Dutra

Resenha: Quais os significados da palavra nós? Um conjunto de pessoas. Mas quais pessoas? 

Ela pode se referir a um grupopequeno – nossa família, por exemplo. E se formos pensar em nosso país? E no mundo? Como são as pessoas que habitam todos esses lugares? Em que se parecem e em que se diferem de nós?

Mas afinal, quem somos nós a quem o título se refere? É com essa pergunta que o ilustrador Maurício Negro inicia a apresentação deste livro

Mostrando a unidade na diversidade de nossas origens, o autor organizou uma belíssima coletânea de narrativas oriundas de alguns dos diferentes povos indígenas dos quais somos todos herdeiros.

Os textos nos ajudam a conhecer a individualidade de cada cultura, mas também ampliam nosso olhar, fazendo-nos enxergar o que existe de nós em cada uma das histórias contadas por outros. 

16/04, quinta-feira, às 14h

Com mediação de Luisa Setton

Resenha: Cadê o livro que estava aqui é uma obra de descobertas. Com jeito de brincadeira, tudo é motivo para o leitor se divertir! 

O texto remete às parlendas e às brincadeiras cantadas, tão gostosas de repetir e dizer em voz alta. As ilustrações e o projeto gráfico repletos de cores, desafiam e surpreendem o leitor, convidando-o a encontrar personagens, mas também a se demorar nas páginas desvendando tudo o que possível encontrar por ali.

Os personagens aparecem em sequência e todos em busca de um livro… E cadê o livro? E o que será que tem dentro dele? 

As perguntas saem da história e podem entrar na vida real, em uma brincadeira de faz de conta que aproxima realidade e fantasia. 

17/04, sexta-feira, às 14h

Com mediação de Renata Rossi

Em Na Casa deles!, Edith Chacon e Priscila Ballarin nos apresentam os autores que fazem parte de suas biografias leitoras.  Alguns deles conhecidos e adorados também por crianças de todas as idades.

O projeto gráfico primoroso, aliado ao texto rimado — perfeito para ler em voz alta – fazem desta obra uma verdadeira celebração dos livros onde moramos e dos criadores das histórias que nos fazem viajar e habitar os mais diversos mundos.

E você, consegue lembrar quais são suas histórias preferidas? E já parou para pensar em quais os autores e as autoras que já moram dentro de você?

20/04, segunda-feira, às 14h

Com mediação de Laís Froes

Para explicar por que não fez sua lição, um menino dá asas à imaginação e pensa nas situações mais improváveis para contar à sua professora. Desde ser abduzido por seres extraterrestres até mesmo ter sido sequestrado por uma companhia de circo! A cada página de Não fiz minha lição de casa porque…, Davide Cali surpreende o leitor com ideias malucas, que se tornam ainda mais divertidas com as ilustrações cheias de humor, criadas por Benjamin Chaud. O final inesperado revela que talvez o menino não seja o único personagem imaginativo dessa história.

21/04, terça-feira, às 14h

Com participação de Gabriela Romeu e de Maria Gomide

Resenha: Em Álbum de família — Aventuranças, memórias e efabulações da trupe familiar Carroça de mamulengos, Gabriela Romeu e Catarina Bessel apresentam ao leitor a história de uma  trupe familiar do sertão do Cariri: a Carroça de mamulengos. 

Nas páginas deste curioso álbum, conhecemos suas aventuras e seu modo de viver em estado de permanente mudança e criação. 

Com leveza, poesia e altas doses de fantasia, as autoras narram o cotidiano encantado deste grupo de artistas, cujo trabalho é uma manifestação da riqueza da cultura brasileira.

Juntas, as autoras conseguiram trazer para o texto, para as ilustrações e também para o projeto gráfico, uma atmosfera brincante e cheia de mistérios que celebra a magia e a irreverência da arte.

Autor Ataba

Luísa Cortés Apaixonada por histórias desde criança, não deu outra: foi estudar Letras e Jornalismo para contar as suas próprias. Hoje, edita o blog da Taba, numa missão de contaminar cada vez mais pessoas com o vírus da leitura.

compartilhe essa leitura!

deixe seu comentário!

3 comentários

Maria Birkenhead

18 de April de 2020

O que devo fazer para ter um livro (não é meu, sou a tradutora) divulgado em sua página? Esse livro está à venda em livrarias virtuais. Posso divulgar os links?
Obrigada,
Maria Birkenhead

responder

Denise Guilherme

21 de April de 2020

Oi, Maria
Tudo bem?
Vc pode mandar para o e-mail [email protected]
Para o livro ser divulgado pela Taba, é preciso que ele seja lido pela nossa equipe e que atenda aos nossos critérios editoriais.
Um abraço

responder

Tania

21 de April de 2020

Ola, estou adorando as rodas de leitura que estão me ajudando muito enquanto trabalho de professora, obrigada

responder

Tereza

22 de April de 2020

Não consigo mais participar das rodas de leitura online. Não estou recebendo link.Pode voltar a enviar, por favor

responder